29 Jun
29Jun

Com o surgimento das primeiras transmissões de rádio no Brasil (como a da Rádio Clube de Pernambuco e a do dia 7 de setembro de 1922), apaixonados pelo novo veículo começaram a trabalhar em iniciativas que resultaram nas primeiras emissoras do país. De lá para cá, a trajetória do próprio meio de comunicação se confunde com a de algumas emissoras pioneiras. Uma delas é Rádio Sociedade (hoje Rádio MEC).
Emissora da histórica transmissão do centenário da Independência, a Rádio Sociedade foi criada oficialmente no ano de 1923 no Rio de Janeiro. Exatos 365 dias separaram a transmissão e a entrada no ar da emissora. No meio deste período, foi feita uma transmissão experimental em 1º de maio, e uma lei que derrubava a proibição da compra de aparelhos de rádio foi criada no dia 11 do mesmo mês. 


A chegada da Rádio Nacional e o início da Era de Ouro no Brasil
 A segunda metade da década de 1930 foi a consolidação do rádio como veículo de comunicação em massa. Tanto que, em 1936, a Rádio Sociedade, que não resistiu às transformações do período, deixa de ser de Edgard Roquette-Pinto, passa para as mãos do Ministério da Educação e muda de nome: se torna a Rádio MEC. No sentido contrário da MEC, outra emissora é criada para se tornar hegemônica na época: a Rádio Nacional. No dia 12 de setembro de 1936, a Rádio Nacional entrou no ar. Sediada no imponente edifício do jornal A Noite, a Nacional entrava no ar ao som da canção Luar do Sertão, de João Pernambuco e Catulo da Paixão Cearense. Inicialmente, a Rádio Nacional segue a trajetória das outras emissoras da época.

(Crédito: Acervo Rádio Clube Blumenau) 


Foi em 1940 que a história da emissora muda. Em meio à ditadura do Estado Novo de Getúlio Vargas, a Nacional é estatizada pelo governo. De um lado, foram feitos investimentos pesados em tecnologia (para aumentar o alcance da emissora) e em novos produtos. De outro, a rádio passava a servir a um projeto de governo e de valorização de uma cultura brasileira. “Todos os investimentos que foram feitos na emissora foram para servir a um projeto político que ficava um pouco disfarçado ali em meio a uma programação de uma emissora comercial. Por trás, o que valia mesmo era o projeto político e a ênfase muito grande em Brasil e em cultura brasileira, que também era uma maneira de reforçar esse projeto político do Vargas para o rádio”, ressalta a pesquisadora Sonia Virgínia Moreira.
O resultado foi a contratação de artistas que eram de outras rádios, a criação de produtos inovadores como as radionovelas (com destaque de sucesso a O Direito de Nascer) e o Repórter Esso, principal rádio jornal do país por ano, e a liderança de audiência na Era de Ouro do rádio.

 Rádio em Santa Catarina

A Rádio Clube de Blumenau foi ao ar no dia 19 de março de 1932. Além de ser a primeira emissora de Santa Catarina também é a quarta do país. A data marca a emissão das primeiras ondas dos transmissores, adquiridos numa parceria com empreendedores da cidade. Sendo esta uma iniciativa do patrono do rádio catarinense e ex-diretor da Empresa Garcia, João Medeiros Júnior, havia iniciado o sonho com programações difundidas apenas por alto falantes.  Quatro anos depois de ter realizado as transmissões iniciais, a Clube finalmente conquistou a licença para operar e ganhou o prefixo PRC-4, sendo oficializada como a pioneira no estado. A Clube está sob administração da família Vieira desde 2001, e é testemunha de grandes fatos da Região, sendo que foi porta voz de coberturas políticas, esportivas e internacionais.


Fonte: Acaert

Comentários
* O e-mail não será publicado no site.